terça-feira, 14 de julho de 2009

Insonia

A noite será longa e cheia de fantasmas, pressinto ao ver na tela o som e a fúria de uma história contada por um louco. Além disso, essa taquicardia. Não, literatura não é remédio, é ácido. Como Bandeira, gostaria de ter lavrado o campo; a mesa posta. Não dá. Ando cheio de quadros antigos na parede, roídos por traças, nas horas intermináveis. As páginas de um livro avisam-me sobre a indesejada das gentes, mas não tenho punhos fortes, resta-me o medo e olhos e ouvidos atentos ao silêncio áspero da noite. As britadeiras de vidro. Ser ou não-ser?, porque essa questão agora, quando todos dormem? Quando só resta a mim, testemunha e vítima? Por que não parar e contemplar a noite que passa? Porque agonizo, só isso. Agonizo e é noite. Tenho vários poemas sobre a noite escritos durante o dia, agora que é noite não acho o ritmo da noite. Só sua aspereza que não me deixa pregar o olhos. Se, ao menos, pudesse trepar. Quantas noites gastas em suor e esperma? Só vazio é o que resta. Essa coisa de não pregar os olhos, enquanto a noite se abre em volúpia e morte.

6 comentários:

  1. A noite é isso, um sem fim de sons faustos e de fantasmas velhos conehcidos na ácida viagem da literatura!!!!

    ResponderExcluir
  2. Isso, meu caro, som e fúria traduzidos na auspiciosa noite agonizante. Aquele abraço.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado, caros amigos, pela visita.

    ResponderExcluir
  4. Caro Paulão...
    Achei massa, a escrita, homi...

    umas inferências e intertextos legais...

    ResponderExcluir
  5. Paulo, meu caro amigo, gostei muito do teu texto. Já apreciava teus poemas, mas fiquei feliz em conhecer tua prosa. Voltarei sempre aqui. Vou linkar teu blog ao meu.

    P.S: E essa taquicardia? Se cuida!!

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Evacuar é um dever ou um prazer? seja eletronicamente, verbalmente Evacuar é um fazer ou um dever? Talvez só vc saiba dizer.

    ResponderExcluir